Planejamento estratégico anual: como fazê-lo em pequenos varejos?

06/02/2018

Toda empresa do ramo de varejo precisa de um planejamento estratégico anual. Traçando-o, é possível saber exatamente em qual estágio o negócio está, quais as metas a serem atingidas e o que precisa ser feito para que venham os resultados esperados.

Quando pensamos em pequenos empreendimentos, essa solução torna-se ainda mais importante, pois, geralmente, são empresas mais vulneráveis a oscilações e perdas. Tais situações são ocasionadas, muitas vezes, pela não existência de um acompanhamento e de um controle apurado do que acontece.

Por isso, o empresário que está à frente de negócios de pequeno porte tem de ficar atento a como elaborar e fazer uso do planejamento estratégico, obtendo sucesso, participação efetiva e competitividade no mercado em que atua. Continue a leitura e saiba mais!

O que é o planejamento estratégico?
O planejamento estratégico anual nada mais é do que um conjunto de definições que vão apontar:

  • o que é a sua empresa;
  • em que ambiente ela atua;
  • quais são suas potencialidades, além dos pontos a serem melhorados;
  • quais objetivos ela deve e pode alcançar.

Por meio do planejamento estratégico, o empresário passa a ter a noção plena de como está o desempenho de seu negócio, se ele vem revertendo os lucros esperados, se está competitivo junto ao mercado em que atua, enfim, se está ou não gerando o que era esperado. A partir disso, também é possível identificar falhas e entraves, planejar soluções e traçar planos para um crescimento sustentável.

O processo requer empenho não só do responsável pelo empreendimento, mas de toda a sua equipe.Esse é, sem dúvidas, um caminho certeiro e necessário para obter o que todos mais esperam de seu próprio negócio: o sucesso. Veja, abaixo, quais são as etapas para a criação de um planejamento estratégico anual:

Quais são os passos para defini-lo?

Diagnóstico de ambiente interno
O primeiro passo para se ter um bom planejamento estratégico é traçar um diagnóstico do ambiente interno, que mostrará a situação atual da empresa. Para tanto, é necessário conceber algumas definições, como:o que é o seu negócio;

  • quais são seus princípios éticos e filosóficos;
  • qual a missão da sua empresa;
  • qual sua visão de futuro.

Essas definições envolvem uma pesquisa interna, que vai englobar todos os processos e pessoas que tem alguma relação com a empresa. A partir dela, será possível rastrear potencialidades, falhas, questões referentes à gestão administrativa e financeira, estrutura e práticas funcionais. É, por fim, um mergulho profundo dentro de seu negócio. 

Diagnóstico de ambiente externo
O próximo passo é seguir para um diagnóstico do ambiente externo. Nele, estão incluídos todos os agentes e elementos que podem ter impacto sobre o desempenho corporativo, como clientes, concorrentes e fornecedores. Essa mesma análise deve levar em consideração os seguintes itens:

  • política;
  • economia;
  • meio ambiente;
  • tecnologia;
  • cultura;
  • sociedade;
  • as leis vigentes no País, Estado e município de atuação, em especial, as que têm relação com o ramo do varejo.

Trata-se, logo, da criação de uma visão macro, que vai ajudar o empreendedor a entender onde seu negócio está inserido e o que pode facilitar ou dificultar seu crescimento.

Estabelecimento de ações e metas
Tendo determinados os ambientes interno e externo de sua empresa, é hora de partir para a definição das ações e metas. Para tanto, é preciso pensar em objetivos a serem alcançados em curto prazo (como em um ano ou dois) e, também, em alvos a serem atingidos em uma projeção mais longa de tempo, como dali a dois anos ou mais.

Esses planos de ação devem ser elaborados em acordo com as metas da organização. Se o objetivo, por exemplo, é aumentar as vendas em 10%, os planos de ação devem ter essa marca como fim, dentro dos períodos predeterminados.

Definição de caminhos
Parte essencial do planejamento estratégico é pensar não só em “aonde se quer chegar”, mas também em “como é possível chegar lá”. Se você tem uma meta X, quais caminhos estão à sua disposição e podem ser utilizados para que isso seja alcançado?

Esse é um momento mais palpável do planejamento estratégico. Muitas vezes, para que ele se concretize, são necessárias medidas como: treinamento e remanejamento de equipe; melhorias na comunicação interna e externa; aquisição de novos equipamentos; reorganização de estoque, entre muitas outras questões.

Seja qual for o caminho, é preciso identificá-lo e, assim, dar um passo adiante rumo à concretização das metas do negócio.Eleição de responsáveisOutro item muito importante é a seleção de quem vai se responsabilizar pelo quê. Faz parte do planejamento estratégico haver pessoas dentro da empresa que ficam encarregadas de tarefas específicas, cada uma com o seu prazo para cumpri-la.

Quando se trata de pequenos negócios, sabemos que, muitas vezes, é o próprio dono que precisa se responsabilizar por diversas atividades — principalmente no início, quando uma equipe propriamente dita pode ainda nem existir. Esse é um passo normal dentro do processo de criação de um negócio, porém, é preciso pensar além. Quando não há mão de obra disponível, é chegada a hora de distribuir tarefas e, assim, deixar todos focados naquilo que entendem melhor.

E isso começa pelo dono do empreendimento, que deve fazer uma autoanálise, mantendo para si as incumbências de áreas sobre as quais tem real domínio e delegando as demais. Assim, torna-se possível criar um fluxo funcional que gera resultados e, ao mesmo tempo, revela talentos.

Padrão de acompanhamento
De nada adianta criar um planejamento estratégico anual, estabelecer metas e planos de ações, escolher funcionários que se responsabilizarão por cada uma delas e estipular datas para que sejam cumpridas se, depois, não for feito um acompanhamento sistêmico das ações. Esse monitoramento é fundamental, pois justificará a realização do planejamento como um todo. Ele colocará a empresa “nos trilhos”, impedindo-a de cair em uma rotina movida pela urgência e pela realização de atividades que não estejam alinhadas com suas metas, sua missão e seus valores.

O primeiro passo é definir quais indicadores de controle vão nortear esse acompanhamento. Ele se dará pela evolução do volume de vendas? Ou será a partir dos rendimentos mês a mês? Isso precisa estar muito claro no planejamento.

Na sequência, é preciso executar esse monitoramento, verificando se as tarefas estão sendo cumpridas e se os resultados estão sendo obtidos. Muitas vezes, um planejamento que seria anual precisa ser revisto após seis meses, pois alguma situação inesperada ocorreu e causou alterações no cenário. E não há nada de errado nisso. Errado seria não fazer o acompanhamento sistêmico e, logo, nem perceber a necessidade de ajustes no decorrer das ações previstas em seu planejamento estratégico.

Como vimos, o planejamento estratégico anual é uma tática indispensável para quem tem um negócio no segmento do varejo. Especialmente quando se trata de pequenos empreendimentos, é preciso que tudo esteja muito bem ajustado, para evitar que a empresa sofra abalos de médio ou até mesmo grande porte, derivados de falhas que poderiam ter sido evitadas.

O planejamento, a estratégia e o controle andam de mãos dadas. O empresário que estiver disposto a incorporar essa relação de fatores certamente será capaz de manter-se ativo e participativo, ainda que diante de um mercado altamente competitivo.

E então? Gostou de saber mais sobre o planejamento estratégico anual? Caso a resposta seja afirmativa, temos certeza que vai gostar deste e-book: “Processos comerciais no varejo: um guia para remodelá-los e aumentar as vendas”. Nele, confira dicas de como remodelar e planejar seus processos internos, automatizar tarefas e monitorar resultados de forma assertiva! Baixe gratuitamente, clique aqui!